terça-feira, 26 de agosto de 2014

Imaginação

Fernanda estava brincando com o espelhinho que abre e fecha, quando o irmão perguntou:
- Fê, empresta esse espelho?
- Não é um espelho, é um celular.
- Então me empresta seu celular?
- Desculpe, está sem crédito.

(Fernanda, 3 anos)

sexta-feira, 22 de agosto de 2014

Uso racional

- Henry, vem tomar banho.
- Tá bom, mamãe. Mas não precisa acender a luz pra não gastar energia.
- O que adianta não acender a luz e você demorar meia hora no banho?!
- Nooooossa o que tem a ver?
- Ué, pra água ficar quentinha precisa de energia elétrica.
- Então acende a luz, que eu não gosto de banho gelado.

(Henry 7 anos)

quarta-feira, 20 de agosto de 2014

Destra ou católica?!?

- Jujú, você é católica?
- Não, Nina. Mas minha irmã é.
- Por que você não é católica?
- Porque eu escrevo com a mão direita.

 (Jujú e Nina, 7 anos)

Milho verde

- Mel, vamos comer milho verde?
- Não, tia. Minha, mãe não deixa.
- Por que não?
- Porque ela só deixa eu comer milho maduro.

(Mel, 5 anos)

quinta-feira, 14 de agosto de 2014

Será?!

- Mãe, eu quero ter um irmãozinho do meu tamanho.
- Mas ele vai nascer pequenininho, vai fazer cocô, xixi na fralda.  E a escola a mamãe não vai conseguir pagar para os dois. Vocês terão que estudar em outra escola, que a mamãe não precisa pagar.
- Não, mãe! Eu fico na minha escola, que você consegue pagar e você coloca ele na outra, que não precisa pagar. Assim dá.
- Não filho, quando a gente tem dois filhos, tem fazer tudo igual para os dois. Se a mamãe não tiver dinheiro para comprar dois brinquedos, não compra nenhum. E os seus brinquedos você também teria que dividir com seu irmãozinho, para os dois brincarem juntos.
Ele parou, pensou e disse:
- É... eu acho melhor primo mesmo.

(Léo, 5 anos)

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Oh raios

- Pai, já estão surgindo os meus primeiros raios de mulher?
E antes de ouvir a resposta, acrescentou:
- É que em você já surgiram os primeiros raios de idoso.

(Lis, 7 anos)

segunda-feira, 11 de agosto de 2014

Vírus cívico

Ao cortar as unhas das mãos da Juju, expliquei que era importante manter as unhas sempre cortadas para não acumular germes, bactérias e vírus.
Aí ela começou a cantar:
- O vírus do Ipiranga as margens plácidas...

(Julia Eduarda, 3 anos)

Decidida

Minha filha tinha acabado de almoçar e perguntei qual fruta ela queria de sobremesa e ela respondeu:
- Morango com açúcar, mãe.
- Não tem morango, filha.
- Então quero só açúcar.
- Açúcar não é fruta.
- Então quero morango com chocolate.
- Não tem morango, amor.
- Então só chocolate.
- Chocolate não é fruta.
- Tem maçã?
- Tem.
- Então quero banana.

 (Eduarda, 4 anos)

sexta-feira, 8 de agosto de 2014

Conflito

A Vitória estava discutindo com a mãe porque queria brincar por mais tempo. A mãe se exaltou e disse:
- Vitória, não! Você sabe por que eu brigo com você, filha?
A menina calmamente respondeu:
- Sei, mãe. Porque você é... como fala? Problemática.

(Vitória, 5 anos)

quinta-feira, 7 de agosto de 2014

Sinceridade

Perguntei para minha filha:
- Júllia, você sabe para que serve o papai?
- Sei. Para dar trabalho.

 (Júllia, 8 anos)

segunda-feira, 4 de agosto de 2014

Dura realidade

- Pai, quer que eu te conte uma coisa?
- Quero.
- Mas vai arruinar a sua vida. Você quer que eu conte, mesmo assim?
- Quero.
- Papai Noel não existe!

(Bruno, 5 anos)

domingo, 3 de agosto de 2014

Tempero especial

- Vó, o que é esse pretinho na comida?
- Tempero querida, chama-se orégano.
- Vó, o orégano do meu prato mexeu as asas.

(Isabela, 4 anos)

sábado, 2 de agosto de 2014

É uma longa história

Estávamos vendo fotos antigas da família:
- Mãe, quem era aquela garota abraçada com o meu pai?!
- Eu, Juan.
- Não, mãe, eu estou falando da magra!

(Juan, 6 anos)

quinta-feira, 31 de julho de 2014

5 anos de blog!

Quando esse blog começou, em 2009, tinha frases ditas por crianças que hoje já nem são mais crianças. 

A Nina tinha 2 anos e ainda estava começando a falar suas primeiras pérolas. Agora, ela já é uma veterana por aqui e, aos 7, lê alguns posts e até sai contando para as amigas.

Sabemos bem que 5 anos é muito pouco perto da história. Mas para um blog que se inspira em pessoas que, na maior parte, tem menos tempo de vida do que isso, podemos nos sentir orgulhosos.

Mês passado, chegamos a quase um milhão de visualizações. Até hoje, postamos mais de 500 frases (e a caixa de emails continua com algumas dezenas de "não lidos"). Há alguns dias, o perfil no Facebook atingiu 14 mil seguidores e, diariamente, recebemos dezenas de mensagens com frases novas - e engraçadíssimas - para publicar.

E o que isso significa? Para nós, é um sinal de que não vai faltar conteúdo para continuarmos alimentando o Frases diariamente por muito tempo ainda. Significa que celebrar a pureza, a inocência e a graça da infância é algo que continua encantando e alegrando muita gente. E, tá bom, é exagero dizer, mas é um pingo de esperança na humanidade também.

Cinco anos por aqui. Uma mão cheia de dedos e cheia de gratidão por termos tantos amigos nos acompanhando e ajudando a construir essa história.

Obrigado!

Henrique e Manú

É o amor

O Gustavo chegou triste da escola e nem quis almoçar. Perguntei o que havia acontecido e ele não quis falar.
O João, irmão mais velho, respondeu por ele:
- É que a Vitória não quis brincar com ele hoje, mãe. E o Gustavo não tira a Vitória da cabeça.
Ouvindo o João falar, o Gustavo replicou:
- Não, João! A Vitória não está na minha cabeça. Ela está no meu coração.

(Gustavo, 5 anos e João, 7)

terça-feira, 29 de julho de 2014

Muito difícil

- Yasmin e Giovanni, quando vocês acabarem de brincar com papel e tesoura, vão juntar esta bagunça e organizar tudo, ok?
Yasmin replica:
- Mamãe, eu estou cortando um elefante. Isto é uma tarefa extremamente difícil. Por isto eu não posso me estressar agora, ok?

(Yasmin, 5 anos)

segunda-feira, 28 de julho de 2014

Resolvido

Todos no carro quando o pai perguntou:
- Olha, não é aqui a casa do Lucas, Isabella?
- Sim!
A Clara se antecipou:
- É o namorado dela, pai.
A mãe tentando entender a situação, perguntou:
- Mas Isa, você já não gosta do João? Como pode ter dois namorados?
E a Clara arrematou:
- Lógico que ela pode ter dois namorados. Ela tem duas bochechas!

(Clara, 5 anos e Isabella, 7)

sábado, 26 de julho de 2014

Fórmula da beleza

- Mãe, por que você corre na esteira todo dia?
- Pra ficar mais bonita, filho.
- Mãe, não está dando certo. Você sai daí toda vermelha e suada. Você é muito mais bonita antes de subir na esteira.

(Arthur, 5 anos)

Safári

Estávamos voltando à noite no carro, quando Alana decidiu abrir o vidro:
- Laninha, não abre o vidro porque pode vir algum trombadinha.
- Mamãe, trombadinha é elefante, né?!

(Alana, 4 anos)

sexta-feira, 25 de julho de 2014

Esconde-esconde

Bia estava encostada na porta da geladeira. Estranhei e perguntei:
- Oi, Bia. Tudo bem?
- Tudo, mamãe. O gato "não" está dentro da geladeira!

 (Beatriz, 03 anos)

terça-feira, 22 de julho de 2014

Realidade infantil

Estava querendo lavar meu cabelo e a Nina queria brincar comigo.
- Não lave, Isa. Fique aqui, brincando comigo.
- Mas meu cabelo está oleoso, Nina.
- O da minha boneca também.
- Mas ela é de mentira.
- Assim você me magoa, Isa. Para mim, ela é de verdade.
- Mas é a realidade, Nina.
- Sua realidade pode ser um pouco menos verdadeira?

(Isabela, 14 anos e Nina, 7)

segunda-feira, 21 de julho de 2014

O sonho não acabou

A mãe percebeu que o Yuri estava com a fralda cheia e teve que acabar com a brincadeira para limpá-lo. Ele olhou bem nos olhos dela e disse:
- Você acabou com os meus sonhos.

(Yuri, 3 anos)

quinta-feira, 17 de julho de 2014

Há tempo para tudo

- Giovanna, você sabia que eu vou ganhar um Iphone?
- Sério, Gaby? Quando?
- O William disse que vai me dar o dele quando eu fizer 15 anos.

(Gaby, 8 anos)


terça-feira, 15 de julho de 2014

Quer pagar quanto?

No dia das crianças, Bia ganhou um telescópio de brinquedo.
Esperamos anoitecer e fomos para o quintal ver as estrelas e a lua. Ajustei tudo, e a vista era mínima. Ela olhou e disse com uma voz meio decepcionada:
- Mãe, nem dá para ver as galáxias!
- Claro né, filha?! É um telescópio de brinquedo. Para ver as galáxias tinha que ser um igual ao da NASA.
Ela pensa por uns segundos e diz com toda naturalidade:
- E tem como comprar um desses parcelado?

(Bia, 9 anos)

segunda-feira, 14 de julho de 2014

Higiene

Minha sobrinha estava no banheiro fazendo cocô e quando terminou, gritou:
- Acabei! E acabou o papel "nojênico" também.

(Lígia, 4 anos)

sexta-feira, 11 de julho de 2014

Adrenalina

Yanne torceu o balanço o máximo que conseguiu e soltou, fazendo-o girar muito rápido. Então gritou:
- Mãeeee, isso faz cócegas no meu coração.

(Yanne, 3 anos)

quinta-feira, 10 de julho de 2014

E agora?

A tia explica para o Bruno a idade que ele precisa dizer que tem para não pagar a tarifa do ônibus:
- Se alguém perguntar, você tem cinco anos, ok?
Eis que o cobrador pergunta:
- Quantos anos você tem?
- Cinco.
- E quando você faz seis?
- Quando eu descer do ônibus.

(Bruno, 6 anos)

terça-feira, 8 de julho de 2014

Tagarela

- Luísa, que cara é essa?
- Eu não dormi direito.
- O que aconteceu?
- O porquinho (de pelúcia) falou a noite inteira.

(Luísa, 3 anos)

Amor platônico

Rodrigo estava tomando leite e me olhava fixamente. Então eu perguntei:
- Tá me namorando?
- Não. Eu namoro a Charlie.
- Quem é a Charlie?
- É da minha escola.
- Mas você precisa me pedir pra namorar. Outra coisa: ela sabe que vocês estão namorando?
- Não. É segredo!

(Rodrigo, 6 anos)

segunda-feira, 7 de julho de 2014

Dando uma aula

- Mãe, hoje eu aprendi na escola como as pessoas ficam felizes quando a gente diz obrigado para elas.
- Puxa, filho, mas você já não tinha aprendido isso comigo?
- Não, mamãe. Com você eu aprendi o que é o amor.

(Guilherme, 6 anos)

Fartura

Dois irmãos conversando:
- Nossa, a gente é muito pobre mesmo. Nem temos dinheiro para consertar a porta do banheiro.
- Não fala assim, Victor Hugo. A gente tem dinheiro até para comprar bolacha recheada.

(Pedro, 3 anos e Victor Hugo, 4 anos)

sexta-feira, 4 de julho de 2014

GPS

As primas conversando pelo telefone:
- Nina, quando você vem aqui em casa, no Rio de Janeiro?
- Não sei. Vem você para São Paulo, Pietra?
- Vou! É para a esquerda ou para a direita?

(Nina, 7 anos e Pietra, 5 anos)

Bons tempos

- Mãe, quando você começou a trabalhar na Jovem Pan, já existia computador?
- Sim, tinha apenas um e eu dividia com o tio Marcelo.
- E celular, você tinha?
- Ainda não.
- E o que vocês faziam o dia inteiro sem celular e só com um computador?!

(Arthur, 3 anos)

Mãe sabe tudo

Conversando sobre a copa, o Enrico perguntou:
- Mãe, em que ano a seleção nasceu?
- Ah, filho não sei de cabeça, não. Depois a gente pesquisa no Google.
- Mas mãe, você é meu Google!

 (Enrico, 6 anos)

quarta-feira, 2 de julho de 2014

Meta

- Papai, eu não vou mais usar chupeta e nem tomar leite na mamadeira. Eu já não sou mais bebê.
- Luísa, meus parabéns! Isso é muito legal. Você decidiu isso agora?
- Sim! Tá na hora de eu mudar de vida.

(Luísa, 3 anos)

Vizinho de cima

Estávamos em casa, quando ouvi a Leda falando com alguém pela janela da sala. Mesmo com a rede de proteção, fiquei apreensiva. Fui olhar e a encontrei em cima do sofá, com a cabeça pra fora, olhando pra cima e gritando:
- Põe a cabeça pra baixo... Põe a cabeça pra baixo!
Cheguei perto, olhei pela janela e não vi nada. Então, perguntei:
- Filha, com quem você estava falando?
Ela me respondeu meio sem jeito.:
- Com o Deus. Eu pedi pra ele pôr a cabeça pra fora do céu pra eu ver como ele é.

(Leda, 4 anos)

terça-feira, 1 de julho de 2014

Cheia de razão

Durante a aula particular, Caren queria apontar o lápis, mas o cestinho do apontador estava cheio.
- Tia, tem que desvaziar o cestinho.
 Logo a corrigi:
-Esvaziar, Caren. Desvaziar não existe.
- Mas eu falo desligar!
- Desligar é diferente, é o contrário de ligar.
Ela ficou pensativa e concluiu:
- Então desvaziar é encher!

(Caren, 6 anos)

Paulista

Um dia, durante o jantar, a Arianne pergunta:
- Mamãe, eu nasci em São Paulo, não é?
- Sim, você nasceu.
- Mãe, tô achando que eu sou uma Avenida.
- Avenida? Como assim?
- Sou Paulista. Igual a Avenida Paulista.

 (Arianne, 4 anos)

Acerto de contas

Na saída da escolinha:
- Amanda, porque você bateu no amiguinho?
- Porque ele me provocou.
- E o que foi que ele disse que te provocou?
- "Não doeu".

(Amanda, 4 anos)

Problema adquirido

Durante uma aula de ballet:
- Tia Carol, não vou fazer esse passo de ballet. Hoje estou com torcicolo no joelho.

(Alice, 6 anos)

quinta-feira, 26 de junho de 2014

Impressionante

- Enzo, estou gostando de ver como você tem usado direito os adjetivos. Você sabe o que é um adjetivo?
- Adjetivo? É a palavra que a gente usa quando quer impressionar uma pessoa?

(Enzo, 6 anos)

Bem pensado

- O que acontece se a pessoa perde o cérebro?
- Ela morre na hora.
- Achei que ela ficava sem imaginação.

(Gabriel, 8 anos)

quarta-feira, 25 de junho de 2014

Canibalismo

- Nossa Rute, a nossa mãe come até o pé do frango.
- Hunf! Ela come até a mão.

 (Rute e Regina 6 e 5 anos)

Plano de carreira

- Filho, o que você quer ser quando crescer?
- Aposentado.

 (Lincoln, 4 anos)

quarta-feira, 18 de junho de 2014

Necessidades básicas

Morena estava observando alguns cachorros brincando no quintal, quando Tony perguntou:
- Morena, você viu se o Dexter fez xixi?
- Não, tio. Mas ele fez churros.

(Morena, 3 anos)

Eu sei, tu sabes, ele sabe...

Saindo do banho:
- Gabi, levante o braço pra vestir a blusa.
- Tatinha, me dá. Eu sabu vesti.
- Não é eu "sabu". É eu sei!
- Se você sabe, então ponha.

(Maria Gabriella, 2 anos)

terça-feira, 17 de junho de 2014

Passe errado

Estávamos conversando sobre os desfalques do Palmeiras, quando o Matheus disse:
- Tia, tudo mercenário! Primeiro, foi o Chico Xavier e agora o Alan Kardec.
- Calma, Matheus. Você está misturando religião com futebol. Alan Kardec está certo, mas o outro foi o Cleiton Xavier.

(Matheus)

De onde viemos

Estávamos assistindo a um programa do Discovery Channel e minha filha Yasmin nos acompanhava. O assunto era fecundação e ela ficou muito interessada em todos aqueles passos intrauterinos até a fecundação, crescimento do óvulo e nascimento. No dia seguinte, entramos numa van e uma senhora a elogiou:
- De onde foi que veio esta menina tão linda?
Mais do que rápido, Yasmin respondeu:
- De uma minhoquinha chamada "espermozóide" que entrou num ovinho pequenininho e deu eu.

(Yasmin, 3 anos)

Praticamente

- Como foi a festinha, Guga?
- Ah mãe, foi boa. Mas coitado do Pedro.
- Por quê?
- Porque ele tem aquela doença que não pode comer doce... a "diabólica".

(Gustavo, 4 anos)

segunda-feira, 16 de junho de 2014

Manso

Estávamos indo pra Jacarepaguá, na casa do meu irmão. Eu dirigindo e as crianças atrás na maior bagunça. No meio da agitação a Julia pergunta:
- Onde estamos indo, mãe?
- Na casa do seu tio. Em Jacarepaguá.
O Pedro parou tudo e perguntou:
- Onde?
- Jacarepaguá.
Pedro parou de pular e ficou sentado, calado.
- Onde mesmo, mãe?
- Jacarepaguá!
Mais cinco minutos e Pedro, num fio de voz:
- Mãe, Jacarepaguá morde?

(Julia, 6 anos e Pedro, 4 anos)

A vida é uma caixinha de surpresas

Visitando a casa de amigos da família, Lúcio pediu para ir ao banheiro. A mãe o acompanhou e esperou. Depois de alguns segundos sentado no vaso sanitário e nada acontecido, ele falou:
- Sabe mãe, a vida prega peças na vida da gente. Eu pensei que fosse cocô, mas era só pum.

(Lúcio, 6 anos)

domingo, 15 de junho de 2014

Sua Majestade

Cena matinal. O Enzo me entregou o desenho de um castelo com uma pessoa no alto empunhando uma espada:
- Mãe, fiz pra você.
- Que lindo! Amei.
- É um castelo, a ponte e o laguinho.
- Parabéns! Já sei: esse é você, o rei desse castelo.
- Não, mãe! Esse castelo não é meu, é dele. É o 'Faber Castelo'. Foi ele quem fez esses lápis.

(Enzo, 5 anos)

Gula

João brincando de lanchonete:
- Mãe, o que você vai querer?
- Um cachorro-quente, por favor.
- E você, pai?
- Um x-tudo.
- Tudo não, tem que deixar para os outros também.

(João, 4 anos)

sexta-feira, 13 de junho de 2014

Boicote

Lauren termina de jantar e imediatamente me pede um biscoito.
- Lauren, dê um tempo para o seu cérebro assimilar a comida. Em 5 minutos te dou um biscoito.
- Ahhh, eu odeio meu cérebro!

 (Lauren, 5 anos)

Boa idéia

- Mãe, tem uma menina na minha sala que só me irrita, corta minha conversa e briga comigo. Tô vendo que vou ter que virar amiga dela para ela parar de fazer isso comigo.

(Maria Eduarda, 7 anos)

Verba

- Vou dar R$10,00 pra cada um. Mas como só tenho uma nota de R$20,00, vou dar para o seu pai e depois ele divide entre vocês.
- Vó, não dê para o meu pai. Ele desvia todo meu dinheiro.

(Pedro, 6 anos)

quinta-feira, 12 de junho de 2014

"Poliglota"

Um aluno disse para o outro:
- Você sabe o que é "bonjour"?
- Não.
-"Bonjour" é "bom dia", no inglês da França.

(Adriano e Alexandre, 8 anos)

Brincando de esconde-esconde

O Dudu está procurando o tablet, mas não encontra. Então, pergunta:
- Mãe, se você fosse um tablet, onde se esconderia?

(Dudu, 6 anos)

quarta-feira, 11 de junho de 2014

Se explique

Após a mamãe dar de mamar para o recém nascido e o colocar pra arrotar, escuta:
- Mamãe, por quê o Theo pode arrotar e eu não?

 (Rafael 6 anos)

E agora?

- Mãe, eu não vou torcer pelo Brasil.
- Vai torcer por quem, Felipe?!
- Pelos brasileiros.

 (Felipe, 3 anos)

terça-feira, 10 de junho de 2014

É oficial

- Mãe, a senhora é minha mãe de verdade?
- Claro que sim, filho. Por quê?
- Porque a senhora não sabe quase nada sobre o meu álbum da copa. Não sabe nem de cabeça quais figurinhas ainda faltam pra completar...

(Antonny, 9 anos)

É grave

Minha afilhada me perguntou o que era gravidade e resumidamente expliquei que era uma força que nos empurrava pra baixo.
Logo, em um descida muito íngreme, ela disse que tinha entendido minha explicação:
- Olha madrinha, estou sentindo a gravidez.

(Bárbara, 4 anos)

segunda-feira, 9 de junho de 2014

Para o alto e avante!

Bruninho mexendo no Ipad, abre o Google Earth.
- Filho, sabe que esse aplicativo é o Google Earth? Dá para ver nossa casa aí.
- Eu sei mamãe, mas eu quero achar Krypton.

 (Bruno, 3 anos)

Sinceridade

- Filha, qual parte da missa você mais gosta?
- Aquela quando vou embora no carro da vovó.

(Bia, 5 anos)

sábado, 7 de junho de 2014

Lego

- Mãe, eu quero uma irmãzinha. Me dá uma?
- Filho, para ter uma irmãzinha temos que nos planejar e precisamos ter dinheiro também.
- Não tem problema, mãe. A gente vai devagarinho. Primeiro, compra uma perna, depois a outra. Aí, quando a gente tiver comprado tudo, é só montar.

(João, 4 anos)

Palavra-chave

Estávamos no parquinho do bairro quando o Gabriel pediu para brincar do balanço. Após posicioná-lo corretamente, disse:
- Gabi, quando você quiser sair fala primeiro, tá?
- Tá bom.
Passando algum tempo...
- Papai!
- O que?
- Primeiro.

(Gabriel, 2 anos)

sexta-feira, 6 de junho de 2014

Espertinha

Após um final de semana na casa da tia, perguntei para a Iara:
- Filha, você tomou banho na casa da sua tia?
- Tomei!
Como conheço a peça, perguntei:
- Hoje?
- Não.

 (Iara Vitória, 5 anos)

Publicitário

Pedro chega em casa contando que Davi chorou na escola porque a professora reclamou com ele. Tentando saber o que havia acontecido, perguntei:
- Davi, porquê a professora brigou com você? Você é um menino tão bonzinho, tão educado...
- Vai lá na escola, tia e conta isso pra ela.

(Pedro e Davi, 2 anos)

Efeitos colaterais

Uma dia desses estávamos, eu e a Bia, assistindo vídeos no Youtube. Eu sentada na cadeira e ela no sofá, vendo o monitor meio de lado. Depois de vermos alguns, ela vira-se para mim, coloca a mão no pescoço, faz uma cara de dor e diz:
- Meu pescoço tá doendo! Acho que é cólica...

(Beatriz, 9 anos)

quinta-feira, 5 de junho de 2014

QI

Estava distraída no hortifruti com as crianças, quando peguei a conversa deles no meio do caminho:
- O meu é maior que a cenoura.
O outro respondeu:
- O meu é do tamanho da berinjela.
Fiquei brava. Puxei os dois de canto e falei:
- Puxa vida, isso não é papo para se discutir no meio de todo mundo.
Aí o João fala:
- O tamanho do nossa cérebro, mãe. O que tem demais?

 (Mateus e João, 10 anos)

Boquiaberto

Vô, borboleta é uma lagarta deslumbrada.

(Lia, 8 anos)

quarta-feira, 4 de junho de 2014

Telepatite

A caminho da escola:
-Mamãe, o que é telepatite?
-Filho, você quer saber o que é telepatia ou hepatite?
-Pode falar as duas. Eu não sei nenhuma mesmo.

(Samuel, 7 anos)

Nutrição

Depois de um longo tempo sem ver o pai que estava viajando, Bia o encontra. Abraça, faz a maior festa e logo diz:
- Papai, estava com muita saudade. Mas você é um pai muito "desnutrido". Viajou e nem ligou pra sua filha.

(Beatriz, 10 anos)

Diversão

No transporte, indo a uma festa do dia das crianças:
- Samuel, fique quietinho porque quando chegar lá teremos vários brinquedos legais para você brincar bastante.
- O que vai ter?
- Pula pula, touro-mecânico, peça de teatro...
- Mãe, a sua cabeça é cheia de coisas divertidas.

(Samuel, 4 anos)

Ketchup

- Pai, não me beije. A sua barba tá picante.

 (Davi Angelo, 5 anos)

terça-feira, 3 de junho de 2014

Tudo passa

- Alice, tu gosta de morango?
- Não, vovó.
- Mas eu lembro que você comia morango.
- Vovó, as pessoas mudam.

(Alice, 5 anos)

Procuradora

- Papai, quando eu crescer, quero ser procuradora.
- Por quê, Aninha?
- Por causa dos diamantes.
- Diamantes??
- É, papai. Vou ser procuradora de diamantes.

(Ana Luiza, 4 anos)

segunda-feira, 2 de junho de 2014

Equilíbrio

Pedro empurra seu irmãozinho Joaquim, que se desequilibra e cai de bumbum no chão. A avó que presencia tudo o repreende:
- Pedro, não empurre seu irmãozinho. Ele ainda é pequeno.
- Vovó, ele precisa aprender a se equilibrar na vida.

(Pedro, 4 anos e Joaquim, 1 ano)

Precisar, não precisa.

- Maria, como será o seu novo quarto? Quais serão as cores e os móveis?
Meio insatisfeita, mas me respondeu tudo o que perguntei . Então questionei:
- Qual o motivo da sua tristeza, Maria?
- Minha mãe está fazendo um quarto para mim, mas meu pai precisa mais do que eu. Ele dorme na cama da minha mãe até hoje.

(Maria, 5 anos)

Frozen

Maria Luiza estava cansada depois da primeira noite de choro da nova irmãzinha, Júlia.
Saiu do quarto com as mãos nos ouvidos, reclamando com os pais:
- Essa casa vai virar um "inverno".

(Maria Luiza, 4 anos)

domingo, 1 de junho de 2014

Gerações

- Mãe, o que é tataravó?
E o Enzo se antecipou:
- Dãããrrr, Heloyse. É a tartaruga avó.

(Heloyse, 10 anos e Enzo, 5 anos)

Mera coincidência

- Uau!! Eu nasci no mesmo dia em que eu faço aniversário.

(Felipe, 5 anos)

sexta-feira, 30 de maio de 2014

Tirando onda

- Luiza, o mar está muito bravo, amor. Fique aqui na beirada com a mamãe.
- Pode deixar, mamãe. Vou ficar fazendo careta para ele rir.

(Luiza, 4 anos)

Boa pergunta

- Teacher, por que o lápis cor-de-pele chama cor-de-pele se ele não é da cor da pele de ninguém?

(Lívia, 6 anos)

Fila

Após a morte de uma velhinha em um filme infantil, Carol e vovô começam a conversar:
- Vovô, ela morreu?
- Morreu. Todo mundo vai morrer um dia.
- Eu sei. O senhor vai morrer vovô.
- Você também.
- É. Só que eu vou demorar.

(Carol, 5 anos)

quinta-feira, 29 de maio de 2014

Missão

Assistindo "Apollo 13" com o Pedro:
- Viu quantos cálculos, filho? Toda essa equipe e os astronautas estudaram muito para essa missão.
- É verdade, mãe. Ainda bem que eu não quero ser astronauta.

(Pedro, 6 anos)

De Piracicaba

Beatriz foi passear com os irmãos na praça perto de casa, mas voltou logo. Perguntei:
- Que rápido! Por que vocês não ficaram mais?
- É que tinha uns meninos lá fumando pamonha.
 
(Beatriz, 4 anos)

quarta-feira, 28 de maio de 2014

Maduro

- João, o que você quer ser quando crescer?
- Adulto.

(João, 4 anos)

Marketing

- Mãe, agora na escola eles ficam tocando música de comercial na hora da entrada.
- Como assim, filha? Que comercial?
- Aquele do posto Ipiranga. Eles cantam lá: "Ouviram do Ipiranga..."

(Laura, 5 anos)

terça-feira, 27 de maio de 2014

Estrada sinuosa

Mariana estava começando a ler e em uma viagem para a casa da vovó começou a ler todos os letreiros que passavam:
- Pos-to. Es-tre-las. Mo-tel... Papai, o que é motel?
Depois de alguns segundos pensando, ele respondeu:
- É o hotel em que as pessoas chegam de moto.
- E no hotel as pessoas chegam de "hotomóvel", né?

(Mariana, 7 anos)

Contagem regressiva

Manu, contando até vinte:
- Dezessete, dezoito, dezenove e... dezedez!

(Manu, 2 anos)

segunda-feira, 26 de maio de 2014

É ou "Noé"?

Depois de passar um ônibus com a propaganda de um filme na traseira, uma conversa começou no banco de trás:
- Calebe, olha lá aquele filme.
- Noé.
- É sim!
- Noé.
- É sim!

 (Miguel, 5 anos e Calebe, 8 anos)

Sugestão

A família toda sentada à mesa para o almoço e o vovô reclamava que seu dedo estava doendo porque a aliança estava apertada. Todos sugeriam maneiras para tirar a aliança, mas nenhuma sugestão funcionava. Foi então que a Maria Clara entrou no debate:
- Vovô, por que você não vai na igreja resolver isso?
- Na igreja? Por quê?
- Ué, não foi o padre que colocou a aliança no seu dedo? Problema dele. Mande ele tirar agora!

(Maria Clara, 6 anos)

Internalizar

- Mãe, o que é isso?
- É um scanner, filho.
- E o que ele faz?
Depois te tentar explicar por alguns minutos, decidi mostrar pra ele como funcionava.
- Entendeu, filho?
- Ahhh mãe, entendi... Ele imprime pra dentro.

 (Marcel, 6 anos)

Maquiagem "elabolada"

Depois de passar o batom na minha boca, a Flor comentou:
- Mãe, você ficou linda! Está parecendo o Patatá!

(Flor, 6 anos)

Preto e branco

Pedro vendo minhas fotos de infância, em preto e branco, falou:
- Mãe, quando foi que coloriram o mundo?

(Pedro, 5 anos)

domingo, 25 de maio de 2014

Ponto de vista

No consultório oftalmológico, o médico perguntou:
- Então, o que esse moço tem?
E o Mateus logo respondeu:
- Doutor, eu não consigo enxergar no escuro.

(Mateus, 3 anos)

Judô mirim

- Mamãe, eu não fiz a aula de judô hoje, tá?!
- Mas por quê?
- Ah, só tinha crianças adultas.

(Luca, 4 anos)

Dieta

Aladê acordou de madrugada dizendo que estava com fome.
Perguntei o que ele queria comer e ele respondeu:
- Qualquer fruta, menos aquela roxa (ameixa), porque essa eu sei que é da sua dieta maluca.
- Maluca? Por quê?
- Porque você nunca emagrece.

(Aladê, 5 anos)

Bate coração

A Manuela estava deitando no chão, abrindo a boca de sono e falei:
- Vamos dormir, filha. A sua bateria está acabando.
Ela, mais que depressa respondeu:
- Eu não sou celular. Eu tenho um coração, não uma bateria.

(Manuela, 3 anos)
Google+