quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Cenas domésticas: nunca é cedo para ensinar

Era cedo. Estávamos na cozinha e como todos os dias, eu preparava um copo de Nescau para a Nina. "Leitinho, papai, leitinho" é a fala matinal que me desperta, junto com a música do Louis Armstrong que toca no relógio.

Hoje ela foi atrás de mim. Enquanto eu ajeitava o lanchinho da escola, ela virava o copo de leite numa golada só. Depois, não satisfeita, pediu:

- Pai, eu quero também aquele outro. O amarelo.
- Que amarelo, filha?
- Aquele, pai. Abre o armário.

Bom, eram seis da manhã, eu estava com sono e você precisa me desculpar pela falta de paciência com minha pequena.

- Ah, filha, isso não é hora de olhar o armário. Não é hora de doce. E você já comeu.
- Nããão, pai. Eu quero aquele amarelo. Eu esqueci o como chama…
- Nina, eu não sei o que você está querendo. Você já tomou seu leite, agora é hora de se arrumar e ir pra escola.
- Ah, pai… por favoooor! (ela agora está com essa mania de dizer "por favoooor" pra qualquer coisa que queira mesmo, como se fosse um apelo em última instância. Funciona).
- Tá. Eu vou abrir o armário.

Abri a porta e só via pacotes de biscoito, o açucareiro, Nescafé, sal, Ovomaltine, uma lata amarela de leite Ninho… Opa, amarelo!? Leite Ninho?

- Nina, é isso aqui que você quer? Um grudinho*?

Ela sorriu. Ficou um tempo sem dizer nada. Eu, com a cara amassada de sono ainda esperava retomar a rotina. E ela arremata:

- Viu como você aprende?

Realmente.

(*Grudinho é um troço que minha sogra inventou e a Nina adora. A receita é simples: duas colheronas de leite em pó e uns 10 ou 20 mililitros de água. Vira uma pasta grudenta e, segundo dizem, deliciosa – há paladar para tudo)

(Nina, 2 anos)