sexta-feira, 5 de setembro de 2014

Genética

Chego em casa e escuto:
- Vó, não mostra o bilhete que a professora mandou para minha mãe. Lembre-se que eu te amo, Vó. Eu pergunto:
- Que bilhete?
Chorando, responde:
- A professora entendeu tudo errado. Porque a professora é adulto e adulto não entende nada.
- O que houve?
- A professora mandou bilhete, porque eu estava conversando com meus amigos e disse que eu estava bagunçando.
- E você estava bagunçando? Porque não deixa para conversar durante o horário do lanche, filha?!
- Mãe, tem coisas que não dá pra deixar pra depois. Tem que ser naquela hora. Entende?
- Filha, mas ficar conversando na hora da aula pode te prejudicar e você não entender o que a professora está explicando.
- Mamãe, eu entendo o que a professora explica. Eu só fui combinar com minha amiga o que a gente iria brincar. Amizade é mais importante, mamãe. E deve ser coisa do sangue, né?! Porque a vovó Maria fala demais. Meu vovô Marcelino, também. E eu nasci assim.

(Gabriela, 6 anos)